Graduação

Engenharia Civil

> Grade

> Corpo Docente


Coordenação: Professora Doutora Roberta Maria Machado

Valor da mensalidade em 2017: R$980,00


Sobre o curso

O Engenheiro Civil é habilitado para trabalhar em empresas de construção civil e em obras de infraestrutura de contenção e barragens, de transporte e de saneamento; em obras ambientais e hidráulicas; em serviço público e privado; em instituições de ensino e de pesquisa; em serviços autônomos.

O curso na FASAR

O curso de Engenharia Civil da FaSaR visa formar o engenheiro com perfil generalista, humanista, crítico e reflexivo, capacitado a absorver e desenvolver novas tecnologias, estimulando a sua atuação crítica e criativa na identificação e resolução de problemas, considerando seus aspectos políticos, econômicos, sociais, ambientais e culturais, com visão ética e humanística, em atendimento às demandas da sociedade.

O mercado de trabalho

A proposta do curso de Engenharia Civil para a IES “Faculdade Santa Rita” – FaSaR, de Conselheiro Lafaiete-MG, embasou-se no desenvolvimento do mercado de trabalho nessa área. Inicialmente, pela expectativa dos projetos do Governo Federal, como o PAC e Minha Casa Minha Vida, e mais especialmente, pelo aquecimento da economia regional.

No momento, registra-se que, apesar da desaceleração da economia brasileira, o curso de Engenharia Civil da FaSaR está inserido numa região de grande perspectiva de trabalho para o Engenheiro Civil. Desde os primórdios de sua história, Conselheiro Lafaiete serviu-se como entreposto no ciclo do ouro para as regiões de Itaverava, Ouro Preto, Ouro Branco, Mariana, dentre outras. Hoje, presta-se como “cidade polo” que acolhe uma população trabalhadora, que emigra, apesar da crise econômica, de outras cidades e regiões brasileiras em busca de trabalho no comércio, área de destaque no desenvolvimento de Conselheiro Lafaiete, e também empresas regionais, tais como: VSB, VALE, Gerdau Açominas, CSN, MRS Logística, Ferrous, RDM – Rio Doce Manganês, Cimento Tupi, Real Mix Concretos e outras de médio e pequenoa porte, que aqui se estabelecem para dar sustentabilidade ao desenvolvimento regional, mesmo diante do cenário econômico atual.

Neste caso, cita-se os investimentos na construção de prédios residenciais, loteamentos e criação e expansão de novos bairros, áreas de supermercados, hotéis, shopping, entre outros, previstos para a cidade de Conselheiro Lafaiete. Todos esses fatos aquecem o comércio dessa cidade com grande reflexo na construção civil. Observa-se ainda, um grande desenvolvimento verificado pelas construções edificadas na cidade e tantos outros em andamento, não só aqui, mas registra-se também um grande crescimento na cidade de Jeceaba, e na região de BH, com ênfase para a cidade de Nova Lima, que registrou e ainda registra uma grande expansão na construção civil, como por exemplo a expansão do condomínio do Alphaville/C.Sul e dos bairros Belvedere e Vale do Sereno, envolvendo grandes empresas construtoras, tais como, MASB, MRV, Construtora Líder, Construtora Ágata, Ímpar, Viver, Cajado, Covan, WLE empreendimentos, entre outras. Assim sendo, a atual demanda regional para o curso se apoia na perspectiva da melhoria do mercado de trabalho da construção civil pelos índices regionais já registrados nesta área. Espera-se que o referido mercado absorva com sucesso os egressos bacharéis Engenheiros Civis da FaSaR.

Perfil do egresso

O Engenheiro Civil egresso da Faculdade Santa Rita – FaSaR – é um profissional de formação generalista que, em consonância com o referencial nacional dos cursos de Engenharias, atua na concepção, planejamento, projeto, construção, operação e manutenção de edificações e de infraestruturas. Suas atividades incluem: supervisão, coordenação e orientação técnicas; estudo, planejamento, projeto e especificação; estudo de viabilidade técnico-econômica; assistência, assessoria e consultoria; direção, execução e fiscalização de obra e serviço técnico; vistoria, perícia, avaliação, arbitramento, laudo e parecer técnico. Pode desempenhar cargos e funções técnicas, elaborar orçamentos e cuidar de padronização, mensuração e controle de qualidade. Pode coordenar equipes de instalação, montagem, operação, reparo e manutenção. Executa desenho técnico e se responsabiliza por análise, experimentação, ensaio, divulgação e produção técnica especializada. Coordena e supervisiona equipes de trabalho, realiza estudos de viabilidade técnico-econômica, executa e fiscaliza obras e serviços técnicos; e efetua vistorias, perícias e avaliações, emitindo laudos e pareceres. Em suas atividades, considera a ética, a segurança, a legislação e os impactos ambientais.

NDE - Núcleo Docente Estruturante

O Núcleo Docente Estruturante – NDE – é composto pelo coordenador e por docentes do curso de Engenharia Civil. O objetivo principal do NDE é auxiliar o Colegiado do Curso de Engenharia Civil na consolidação do Projeto Pedagógico de Curso de acordo com a legislação vigente.

O NDE está constituído por docentes de elevada formação e titulação, contratados em tempo integral e parcial, que trabalham a organização didático-pedagógica do Curso: construção e acompanhamento do projeto pedagógico do curso; acompanhamento dos resultados no ensino-aprendizagem do projeto pedagógico; revisão das ementas e conteúdos programáticos; indicação de cursos a serem ofertados em nível de atividade complementar como forma de nivelar o aluno ingressante ou reforçar o aprendizado; proposição de ações em prol de melhores resultados no ENADE; criação, implantação e manutenção dos grupos de trabalho e pesquisa; criação e implantação de projetos de extensão e de atividades interdisciplinares; e atendimento aos discentes.

Colegiado de curso

A coordenação didática do Curso de Engenharia Civil está a cargo do Colegiado do Curso, constituído pelos docentes que ministram disciplinas do currículo do curso, pelo Coordenador do Curso e por um representante do Corpo Discente.

Atividades complementares

O projeto pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia Civil contempla as atividades complementares, com a carga horária de 240 horas-aula, ou seja, 200 horas-relógio, num percentual de 5% da carga horária total do curso.

Além das disciplinas teóricas e das disciplinas práticas, ditas “laboratoriais”, formatadas em um padrão de turma/docente/horas-aula semanais, são previstas atividades complementares para os cursos de graduação da Instituição, visando propiciar ao aluno a oportunidade de realizar uma trajetória autônoma e particular ao desenvolvimento do currículo.

As atividades complementares são componentes extracurriculares que têm por finalidade propiciar aos discentes a oportunidade de realizar, em prolongamento, a matriz curricular, uma trajetória autônoma e particular, com conteúdos extracurriculares que lhe permitam enriquecer os conhecimentos auferidos no curso.

Compreende-se como atividade complementar todas e quaisquer atividades, não compreendidas nas práticas pedagógicas previstas no desenvolvimento regular das disciplinas, obrigatórias ou eletivas, do currículo pleno do curso, desde que adequada à formação acadêmica e ao aprimoramento pessoal e profissional do aluno.

As atividades complementares são classificadas nas seguintes modalidades:
I – Grupo 1: Atividades vinculadas ao Ensino;
II – Grupo 2: Atividades vinculadas à Pesquisa;
III – Grupo 3: Atividades vinculadas à Extensão;
IV – Grupo 4: Atividades vinculadas à Representação Estudantil.